Saiba como foi a nossa semana no GP do Brasil de 2016

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

| Débora Santos Almeida – publicado em 16 de novembro de 2016 às 01:15

Esse ano o Boletim não conseguiu o credenciamento para o Grande Prêmio do Brasil, no primeiro momento foi frustrante, mas entendemos as mudanças que aconteceram para esse ano e esperamos que para o ano que vem com a Liberty às coisas sejam um pouco mais fáceis. De qualquer forma, pode parecer meio egoísta o que eu vou dizer, mas esse ano eu teria ficado chateada se não estivesse na companhia de algumas pessoas que fizeram esse GP ser tão especial.

Esse ano foi o meu terceiro ano dentro do autódromo e o primeiro em que eu consegui tirar férias na semana do GP do Brasil. Todas as outras vezes eu tinha que trocar a sexta-feira por um outro feriado qualquer do ano para conseguir ir nos treinos livres de sexta, então dessa vez eu me programei e consegui a tão sonhada férias para não perder nada. Aproveitei para fazer uma coisa que há muito tempo eu tinha vontade de fazer, ter um dia de “fangirl” e ir para frente do hotel, tentar conhecer e tirar uma foto com aqueles que você admira há muito tempo e só vê pela TV, acabei encontrando com Max Verstappen e seu pai Jos Verstappen, além do mito Fernando Alonso, ambos foram bem receptivos e carismáticos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na sexta-feira dia do primeiro e segundo treino livre, encontrei com uma galera que veio de vários cantos do Brasil, Vitória da Conquista na Bahia, Brasília, Curitiba, Goiânia etc… Aquela galera que você fala o ano inteiro e faz planos para essa semana tão esperada por qualquer cabeça de gasolina. E a sensação de encontrar as pessoas que você só fala pela internet é muito boa, encontrar algumas dessas pessoas no caminho para o autódromo e também ver outras tantas usando camisetas da Gasolina Store, trás uma satisfação enorme.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Acompanhamos os treinos embaixo de muito sol forte. A noite decidimos reunir a galera que estava separada (setor A e G) na Cervejaria Nacional, além de amigos que não iriam assistir a corrida no autódromo. Essas reuniões acontecem todo o ano e o mais incrível é que todo ano o número de pessoas aumenta. 

No sábado saímos de casa bem cedinho, o tempo já havia mudado, estava mais frio e havia previsão de chuva para o “qualifying”, mas a chuva só deu as caras na hora de sair do autódromo mesmo. À noite fomos ao Bar do Juarez que é tradição, encontramos mais algumas pessoas que não tinham chegado no dia anterior.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mas o dia épico sem duvida alguma foi Domingo. O dia começou de baixo de chuva e está se arrastou pelo dia todo, à medida que as horas passavam a ansiedade só aumentava e a pergunta que permanecia era, vamos ter uma corrida na chuva? E a resposta foi sim. A maior tristeza foi não ter uma largada sem o Safety Car, acredito que sem ele teria sido mais emocionante, mas para evitar maiores acidentes eles resolveram manter ele na pista por precaução, até porque na volta de instalação, Romain Grosjean acabou batendo sua Haas. A corrida foi interrompida duas vezes e na segunda, acreditava-se que não haveria mais corrida, a direção de prova dizia que era muito perigoso continuar, enquanto alguns pilotos diziam para eles pararem de ser tão cautelosos e deixar que a corrida seguir. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Foi possível presenciar momentos que nunca mais saíram da memória, como quando Massa foi de encontro as pessoas do setor A no desfile de pilotos e o autódromo gritava ”Valeu Massa”. As mesmas vozes também entoaram agradecimentos após o piloto bater, vimos a emoção dele enquanto ele se encaminhava para a área dos boxes, foi impossível seguras as lágrimas que vieram espontaneamente. Ver a equipe da Ferrari sair do boxe e vir cumprimentar o piloto brasileiro também foi de tirar o fôlego . Também aconteceu algo no mínimo inusitado, durante o Drivers Parade, nós do Setor A começaram a chamar o nome do jornalista Marcelo Courrege da Globo, que pela primeira vez havia sido convidado pela FOM para entrevistar os pilotos no desfile. O mais engraçado era ver a cara dos pilotos que não entendiam o motivo do repórter ser mais ovacionado que eles naquele momento.

Ao termino da corrida e como ultimamente vem sendo tradição, as grades que dão acesso à pista, foram cortadas e ocorreu a invasão. Em um primeiro momento eu fiquei com muito receio para entrar, mas parece que de certa forma a equipe que organiza o GP do Brasil deu um voto de confiança para os torcedores, eles colocaram polícia na pista e barreiras para fechar a região dos boxes, mas as pessoas que participaram da invasão, não tinham a intenção de entrar lá, só queria mesmo aproveitar o momento e ver a festa do pódio, ninguém que estava ali tinha a intenção de depredar. Depois da invasão as pessoas se concentraram a frente da sala de imprensa e começaram a gritar o nome do Massa, o jornalista Marcelo Courrege, estava gravando uma matéria sobre o GP do Brasil e com os pedidos das pessoas que estavam ali em volta, o Massa veio ao encontro dos torcedores ali reunidos. Mais uma vez o piloto ficou emocionado e acabou jogando as suas sapatilhas e o seu boné para os torcedores que prestavam a ultima homenagem ao Felipe Massa como piloto de Fórmula 1, fechando assim um fim de semana com diversas homenagens, porém com apenas um sentimento, o de gratidão por tudo que ele fez e representa a todos.

De certa forma parece que foi melhor o piloto brasileiro ter batido, pois todas as pessoas ali reunidas conseguiram ter mais contato com ele e prestar suas homenagens. Foi à primeira despedida que eu presenciei de um piloto, foi muito triste, mas ao mesmo tempo foi bonito ver o reconhecido dos brasileiros, da Ferrari e da própria Williams. O bom é que vamos ver ele em outra categoria, Massa é um piloto muito jovem e com uma carreira longa pela frente.

Outro momento emocionante que a chuva torrencial de domingo pode oferecer, foi ver Nasr lagar do penúltimo lugar e acabar a corrida em 9º. Conquistar os dois primeiros pontos para a Sauber foi essencial, a equipe vai receber aproximadamente 40 milhões de dólares, que podem fazer a diferença no próximo ano e de certa forma salvar a equipe. Nasr é um piloto que nos últimos dias foi muito questionado, já que o seu companheiro de equipe conseguiu por diversas vezes durante essa temporada conseguir melhores resultados que o brasiliense. Esses pontos foram cruciais para a sua carreira e podem definir o seu destino para a próxima temporada.

Veja a nossa galeria de fotos no Facebook: Álbum: GP do Brasil 2016

O Grande Prêmio do Brasil desse ano foi muito emocionante, nem todas as palavras disponíveis no nosso vocabulário seriam suficientes para expressar todos os sentimentos que essa prova pode proporcionar. Obrigada cada pessoa que fez esse final de semana ser inesquecível.

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou em mim o interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Fiz da RBR minha casa e meu carro favorito é a Kinky Kylie.

You May Also Like

8 thoughts on “Saiba como foi a nossa semana no GP do Brasil de 2016

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: