Cevert tem seu dia de glória e Siffert vivencia a sua última corrida oficial – Dia 135 dos 365 dias mais importantes do automobilismo

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

A temporada de 1971 chegava ao seu final no dia 3 de outubro no circuito de Watkins Glen, nos Estados Unidos. A corrida teria importância significativa para a carreira de dois pilotos não tão badalados, mas que estão presentes na história da categoria.

Fonte: @StatsF1

O campeão da temporada, escocês Jackie Stewart, era o homem a ser batido mais uma vez e confirmou as tendências fazendo mais uma pole. A primeira fila é completada pela Lotus de Emerson Fittipaldi e pela McLaren de Denny Hulme.

Antes da corrida, dois forfaits são sentidos no grid: Mario Andretti (Ferrari) e Mark Donohue (McLaren) decidem não correr a etapa local. Ambos competiriam também no dia anterior pela USAC (ancestral da atual Indycar Series), mas a prova da categoria estadunidense fora adiada pelas condições de tempo. Devido às questões contratuais, os pilotos norte-americanos escolheram disputar a etapa da USAC e ficaram de fora da prova da Fórmula 1.

Fonte: @StatsF1

Na largada, Stewart é superado por Hulme e pelo seu companheiro de equipe, François Cevert, mas recupera a ponta ainda na primeira volta. O neozelandês e o francês disputam a segunda posição entre eles, com a companhia da Ferrari de Clay Regazzoni. No fim, o piloto da Tyrrell prevalece e fecha a dobradinha de sua escuderia.

Ao longo da prova, os problemas começaram a surgir. Stewart começou a sofrer com desgaste nos pneus e, deste modo, foi superado por Cevert com facilidade. Hulme também lidou com dificuldades nos seus compostos e precisou parar para trocar (prática incomum naquela época, pois o tempo de pit-stop era bem demorado), tirando o piloto da McLaren da disputa. Emerson Fittipaldi passou também a ter adversidades. Primeiro com o acelerador travado, e depois com um pneu estourado, perdendo dez voltas!

Quem se aproveitou da queda de rendimento foi Jacky Ickx, que saltou de sexto para segundo a partir da volta 17 e passou a ser o principal perseguidor de Cevert pela ponta. Já Stewart sofria com seus pneus e despencava na tabela, sendo superado pela BRM de Jo Siffert e pela Ferrari de Regazzoni.

O bom rendimento dos carros da Ferrari, no entanto, não duraram muito. Primeiro Regazzoni teve problemas nos freios e perdeu várias posições após uma saída de pista. Depois, o carro de Ickx perdeu bastante rendimento quando vinha perto de Cevert, consequência de um vazamento de óleo que o tirou da corrida. Os fluidos deixados pelo carro vermelho viraram uma armadilha para Hulme, que acabou batendo ao rodar no trecho sujo.

Com isso, Cevert teve caminho livre para conquistar a primeira e única vitória da carreira. Este também foi o primeiro triunfo de um piloto francês desde 1958 com Maurice Trintignant em Mônaco. Siffert cruzou a meta final em segundo e Ronnie Peterson fechando o pódio com a March. Ainda pontuaram Howden Ganley (BRM), Stewart (se arrastando com os pneus em frangalhos) e Regazzoni.

O pódio traz como marco o fato de termos três pilotos que, infelizmente, morreram nas pistas. Cevert, coincidentemente, perdeu a vida em Watkins Glen dois anos depois de vencer por lá. Peterson falecera em 1978 após um acidente em Monza.

Fonte: @StatsF1

Entre os três, Jo Siffert foi o que menos teve tempo. Aquela foi a sua última prova oficial na Fórmula 1, já que três semanas depois, o suíço sofreu um acidente durante o World Championship Victory Race, corrida extraoficial realizada em Brands-Hatch, na Inglaterra. O carro do piloto da BRM capotou e explodiu em chamas. Siffert morreu asfixiado pelos gases tóxicos. Era o segundo corredor da mesma equipe a perder a vida nas pistas naquele ano, pois o mexicano Pedro Rodriguez havia falecido no decorrer do ano também em um acidente numa prova de endurance em Norisring, pilotando uma Ferrari particular.

Os duros tempos do automobilismo nos anos 1970 levaram muitos pilotos que desafiavam o perigo pelo prazer da velocidade, deixando um legado de bravura e insanidade.

Eduardo Casola Filho

Sou formado em jornalismo pela Uniso, torcedor do Corinthians e adoro esportes, especialmente automobilismo!

You May Also Like

One thought on “Cevert tem seu dia de glória e Siffert vivencia a sua última corrida oficial – Dia 135 dos 365 dias mais importantes do automobilismo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: